sexta-feira, 23 de maio de 2008

Pelourinho

Ora aqui vai uma imagem do nosso pelourinho que, penso ser muito mais antiga que as outras todas. Trata-se duma reprodução inserida numa colecção de calendários. Os originais formam um conjunto de quadros representando os pelourinhos do distrito de Bragança.
A menina com a cesta no braço, emigrou posteriormente para o Brasil. E, segundo me disse em tempos minha mãe, é uma irmã da tia Zulmira e, como tal nossa prima também.
O local onde se ergue hoje o Pelourinho, sofreu intervenção por parte da actual Junta de Freguesia e,está muito bonito. Lindíssimo como sempre.

11 comentários:

J. Stocker disse...

Cara Augusta

Sem dúvida que é uma bela apresentação do Pelourino!

poesianopopular disse...

Amiga Augusta
Ainda que mal lhe pergunte, é impressão minha ,ou o belo Pelourinho, está a inclinar-se para a esquerda?
Seja como for a beleza ninguém lha tira!
Abraço
Manangão

Augusta disse...

Amigo Manangão:
efectivamente o pelourinho tem uma leve inclinação. Se é para a esquerda, ou para a direita, isso depende do ângulo donde é observado...
Obrigada pelo seu comentário
Augusta

Augusta disse...

Stocker:
podia ter elaborado um texto mais construído. Mas estava sem inspiração. Prometo fazer melhor para a próxima.
Beijos

Fátima disse...

Garota

Que postal mais lindo! Não o conhecia e nem me lembro, nunca, de ver a casa da tia Maria do tio Sebastião sem aquele acrescento que a desfeia e desfeia o conjunto.

O Tarcísio bem pode inspirar-se neste postal: espero que veja o blog ou que tenha o postal... e que me não leve a mal a sugestão!

Augusta disse...

Não sei se terá. Faz parte de uma colecção que arranjei já não sei onde. Os miúdos eram pequenos e faziam colecção.
Beijos

Fátima disse...

Garota

Esperemos, então, que veja o blog!

Lindos meninos, o Nuno e o João. Nem imaginavam a utilidade que as colecções deles iriam ter!

Beijos

Olímpia disse...

Ao contrário da Fátima,lembro-me perfeitamente da casa, tal e qual está no postal.
E tu, Augusta, não te lembras de,frequentemente medirmos a altura da varanda, saltando para cima do estrume?
julgo que, na porta por baixo da varanda, estavam as galinhas e os coelhos.

Augusta disse...

Eu lembro-me bem da casa assim. E lembro-me ainda de teatro ensaiada pela srª D. Maria.

J. Stocker disse...

Cara Augusta!

Náo precisas de prometer fazer melhor, está optimo, os meus parabéns, eu ontem estava muito cansado e só vi mesmo a imagem, já era tarde e tinha umas horas de PC, e é muito cansativo, estar a escrever com uma só mão e a outra na lupa, para conseguir ler o que escrevo e mesmo assim, passam muitos erros, por isso o comentário foi muito breve.

Beijos

Fátima disse...

Pois do teatro lembro-me eu muito bem, com a nossa mãe a fazer de homem de belo bigode preto! Bem guapo, o tal homem!