sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Gastronomia Transmontana IV
Receitas de Antanho

Blogger Augusta disse...

Como a gastronomia é transmontana, aí vai outra:

REPOLGAS À MODA DA MINHA SOGRA

para 4 pessoas aproximadamente:

- 500gr de repolgas (já não há as de olmo ou negrilhos. Mas há as de estufa que, não tendo o mesmo sabor, aproximam-se bastante)
- 1 tomate bem maduro
- sal, alho,colorau qb
- 1 cebola média
- um pouco de vinho (eu prefiro o tinto)
- Pão duro

Começamos por lavar as repolgas e partimo-las em tiras não muito finas.
Num tacho, colocamos a cebola e o alho em azeite e levamos ao lume até a cebola ficar translúcida. Acrescentamos o tomate e as repolgas e deixamos cozer na água que as mesmas vão libertando em lume brando.
Quando estiverem quase cozidas, acrescentamos o vinho e os restantes tempêros. Deixamos cozinhar mais um pouco. Acrescentar água.
Entretanto, partimos o pão em fatias bem finas. Quando a água ferver, colocamos o pão na quantidade suficiente para que, este tipo de açorda fique bem molhadinha. Retificar tempero (Não deitar muito sal pois o pão também o tem. Eu prefiro temperar só de pois de o pão estar bem embebido).
Quem gostar, pode colocar um pouco de picante.
Pode acompanhar com uma carne assada.
Deliciem-se e...bom apetite

(Benedita Gonçalves - Rebordãos)


Bolo mais que Bom

Ingredientes:

420g. de açúcar

200 g. de farinha

180 g. de manteiga

2 dl de leite

5 ovos

150 g de coco ralado

200 g. de chocolate granulado

1 colher de sobremesa de fermento em pó

Para a cobertura:

1 tablete de chocolate amargo

1 pacote de natas

Confecção:

Bate-se muito bem, a manteiga, o açúcar e as gemas.

Adicione o leite, a farinha misturada com o fermento e bata, de seguida junta-se as claras em castelo alternando com o coco ralado e o chocolate granulado, envolvendo bem sem bater.

Deite o preparado numa forma, bem untada com manteiga e polvilhado com farinha.

Leve a cozer em forno médio cerca 50m.

Entretanto prepare o creme, ponha numa caçarola as natas e o chocolate e leve ao lume em banho Maria, mexendo sempre até derreter.

Desenforme o bolo e barre com creme ainda quente.

Autor da receita : Desonhecido

10 comentários:

Augusta disse...

Uma correcção:
estas 500gr de repolgas chegam perfeitamente para 8 - 10 pessoas. As minhas medidas não estavam muito bem, quando mandei a receita. Razão? É que, tal como a minha mãe, eu nunca utilizo medidas para cozinhar. Faço tudo "a olho". Só depois de ver quanto traz cada embalagem, é que vi que, para 4 pessoas, tinha colocado repolgas a mais.
Quanto ao bolo. Será que é mesmo transmontano? O motivo da minha estranheza é a utilização do coco.
Beijos

Sophiamar disse...

Apenas sei que repolga é um tipo de cogumelo mas não tenho conhecimentos para o distinguir dos demais. Ainda assim, não deixarei de experimentar a receita com os que encontrar já fatiados mas frescos.
Gosto muito de açorda, apesar de estar gordita, com tomate,que também era uma receita da minha mãe. Sem cogumelos mas acompanhada com enchidos caseiros, fritos.
Receitas de antanho que nos compete preservar.
A receita do bolo também guardei mas fá-lo-ei mais tarde.

Com amizade, deixo-lhe um abraço.

J. Stocker disse...

Cara Augusta

Cheguei a Rebordaínhos, as 14h, está calor, a Olímpia e a Fátima foram a Bragança às compras.
Tens toda a razão a sobremesa foi um acrecente meu, não é de cá do Nordeste Transmontano, mas é bom! foi para não ficar o prato sozinho.
Fica aqui a explicação para todos.

Beijos

J. Stocker disse...

Para a sophiamar

Já cá estou na serra e a Internet móvel funciona!
Ainda não tirei a lupa da mala, para lhe poder explicar sem grandes erros de escrita que o Orlando Martins, autor das poesias não é o mesmo que está na foto.
Peço a Augusta ou à Fátima para lhe explicarem.

Um grande abraço para a Isabel
"de serra a serra"

Augusta disse...

As repolgas são cogumelos que cresciam nos troncos dos negrilhos ou olmos, como também são conhecidos por aqui. Também é habitual crescerem nos troncos de giesta (apesar de eu só conhecer as de negrilho). Como entretanto, os negrilhos foram dizimados por uma moléstia qualquer, hoje as que se compram são criadas em estufas e, perfeitamente inócuas. Pode encontrá-las nas grandes superfícies. Acredite que são mesmo boas!
Quanto ao Orlando das fotografias, efectivamente não é o mesmo dos poemas. Ambos são naturais de Rebordainhos mas, que eu saiba, nem sequer parentes são. A única coisa em comum é o nome e, o facto de ambos serem excelentes pessoas. O dos poemas, à semelhança de tantos outros transmontanos, não reside na aldeia. Motivos profissionais obrigam-no (penso eu) a residir noutras paragens.
Um abraço

Augusta disse...

João:
ora então, muito boa tarde em ares de Rebordainhos.
Cá me parecia que com aqueles condimentos, o bolo não devia ser genuinamente transmontano. Mas que deve ser bom, deve...
Vou tentar arranjar umas receitas de castanhas.
Amanhã, vemo-nos, não é assim?
Beijos

lina warren disse...

Augusta, obrigada pela honra da publicacao da receita das repolgas da minha mae. Tenho um bocadinho de vergonha de nunca a ter experimentado (eu nem sabia dela), mas tenho entao de a adicionar a minha lista. (Desculpa a falta de acentos nas minhas palavras - o meu teclado aqui nao tem.)

Augusta disse...

Ora viva a minha cunhada!
Imaginem só, que Rebordaínhos está a ser conhecido nos States...
Então não conhecias a receita da tua mãe? Eu acho é que já te tinhas esquecido, ou então, dada a juventude, nunca lhe tinhas atribuído o real valor. A gente só dá valor às coisas, quando não as temos por perto, não é?
Olha, vem sempre que quiseres. serás sempre bem recebida.
Beijos

céu disse...

Esta receita das repolgas é mesmo um petisco, por acaso eu também as confecciono do mesmo modo.

De facto os Orlandos têm um parentesco afastado. A tia Olimpia avó do Orlando dos poemas e a nossa avó Camila eram primas. (O Orlando das fotos é meu irmão).
Mas, o padrinho do Orlando das fotos é tio do Orlando dos poemas que também se chama Orlando.

Augusta disse...

Obrigada Céu, pela correcção dos parentescos. Claro que sei que o Orlando das fotografias é teu irmão mas não me passava pela idéia a existência de parentesco entre vocês.
Acho que um possível trabalho a desenvolver (com a ajuda de todos)será a construção de uma árvore genealógica - haja tempo e disposição -
Bem hajas pela informação.
Amanhã inicio as minhas caminhadas para a serra.
Beijos