sexta-feira, 18 de novembro de 2011

BREVE

Um litro de óleo [leia-se “gordura”] contamina um milhão de litros de água. Esta é a verdade que me briga a imaginar mil e uma soluções para não despejar pelo ralo do lava-louças os restos gordurosos das refeições. Eu vou continuar a precisar de me servir da imaginação, mas os restaurantes, cantinas, etc. terão, dentro em breve, uma solução para esse problema: um


Lava-louça ecológico que separa a gordura para produzir biodiesel
(ler artigo no Diário de Notícias)


O sistema foi desenvolvido pela Universidade de Trás-os-Montes, o que me deixa muito orgulhosa e é razão bastante para que dê a informação nesta nossa página. Os investigadores estão no caminho certo que é o de zelar pelo equilíbrio ambiental

De tudo só não lhe gosto do nome, que bem podia ser português.


Também podem ver no youtube

5 comentários:

Idanhense sonhadora disse...

Fátima , na minha Idanha -a-Nova há os "oleões "!, onde se depositam as garrafas com os óleos utilizados .Estes ,já nos 2 últimos festivais "BOOM", que são de 2 em 2 anos (vai haver para o ano )abasteceram e vão abastecer de energia limpa todo o festival de 8 dias que já chegou a ter 60 mil pessoas ...Tudo nele é reciclado...Daí o prémio de "Mais ecológico do Planeta" que tem recebido. Assim ninguém deita óleo pelo ralo. De qualquer modo ,parabéns pela descoberta transmontana .É sempre uma alegria quando tenho notícias de descobertas feitas por portugueses.
Beijinhos
Quina

Fátima Pereira Stocker disse...

Quina

A Idanha é, de facto, um exemplo a seguir.

É verdade que existem os "oleões". Mas são tão poucos! Assim como os "pilhões" (diacho de nomes...)

As gorduras domésticas, porém, não se limitam aos óleos das frituras. Pensemos, por exemplo, no cozido à portuguesa, só para dar um exemplo.

Depois de ler a notícia do "lava-louças", lembrei-me das oficinas e garagens de automóveis, onde tantos restos são despejados, inevitavelmente, nos esgotos comuns (não me refiro ao óleo, porque esse já é recolhido separadamente, creio). Estes investigadores vão no bom caminho e tenho a esperança de que, um dia, recebam o financiamento que lhes permita desenvolver os estudos necessários.

Beijos

Isamar disse...

Há que encontrar soluções para guardar todos os tipos de óleos. Eu deito os óleos domésticos, engarrafados nos "oleões" mas aqui, na aldeia, até há os "rolhões" para a recolha das rolhas de cortiça.

Bem-haja, Fátima!

Beijinhos

Idanhense sonhadora disse...

Olá Fátima e Isa , creio que as nossas terras e regiões estão no bom caminho , pelo menos quanto à reutilização dos óleos . A invenção do dito lava-louças parece -me algo de muito positivo .Espero que a crise no-lo deixe produzir e que a patente fique nas mãos dos jovens que o inventaram . Estes e outros inventos que a nossa juventude está a descobrir ,são uma boa esperança para o futuro. Bem precisamos . Por isso os meus parabéns ...
Beijinhos para as duas
Quina

elvira carvalho disse...

Felizmente aqui no Barreiro existem vários oleões (não sei se se chamam assim) para recolha dos oleos usados. Apesar de ser uma coisa que pouco uso em casa, fritos é quase só no Natal, quando tenho, coloco numa garrafa e levo para lá.
Um abraço