sábado, 23 de março de 2013

PÁSCOA FELIZ

Lembrais-vos? Até podia chover, mas o dia de Páscoa era sempre dia de alegria.

Que diferença! Depois de uma semana inteira a sermos chamados por matracas para uma igreja triste, porque sem cânticos e com os santos cobertos por panos roxos, eis que os sinos repicavam com toda a força, querendo apregoar que o Senhor ressuscitara. A igreja ganhara luz, transfigurada pelas mãos artistas das mulheres que a tinham enfeitado com as mais puras flores colhidas no jardim da natureza. E os cânticos da ressurreição eram entoados com tamanho júbilo que, nesse dia, penso eu, Deus nosso Senhor dava descanso aos  anjos canoros para só escutar as vozes fiéis de Rebordaínhos.

Despachado o jantar, a rapaziada começava a juntar-se na eira para jogar ao cântaro. Depois de escachados uns poucos, e já com o povo todo reunido, começavam os jogos de roda, em que rapazes e raparigas reproduziam gestos que se perdem no tempo. Os mais novos imitavam-nos, fazendo as suas pequenas rodas, enquanto os mais velhos olhavam atentos para todos, garantindo a fidelidade ao testemunho.

Que me lembre, só num dos jogos se juntavam as crianças e os jovens. Formavam-se dois círculos concêntricos - o de dentro com as crianças; o de fora com os mais velhitos, uns e outros de mãos dadas. As duas rodas giravam independentes durante os dois primeiros versos de cada quadra (bisados) mas, em chegando ao terceiro e ao quarto versos (também bisados), os da roda de fora davam uns passinhos para dentro e incluíam as crianças no espaço aberto por cada par de mãos dadas, e assim continuavam, em roda única, até terminar a quadra.

A letra é uma pérola religiosa, trazida, como que a fazer a ponte, para a festa profana, que é a festa dos Homens e das suas vidas terrenas. Lembrais-vos dela?

                                               Eu também sou lavadeira
                                               Lavo no rio Jordão
                                               Quando estou a lavar
                                               Aparece-me S. João.

                                               Nossa Senhora chamou-me
                                               Chamou-me e eu vou com ela
                                               Ela é minha madrinha
                                               E eu sou afilhada dela.

                                               Nossa Senhora faz meia
                                               Faz meia feita de luz
                                               O novelo é lua cheia
                                               E as meias são para Jesus.

                                               Nossa Senhora é uma rosa
                                               O Menino é um cravo
                                               S. José é jardineiro
                                               Desse jardim tão sagrado.
______
Para todos os visitantes desta página, os meus desejos de Páscoa feliz.

Nota: Deixei a publicação deste artigo agendada para uma data em que já estarei em Rebordaínhos, razão pela qual não poderei responder aos vossos comentários.

12 comentários:

antonio disse...

Se nos lembramos?...Quase sempre havia um sol pouco quente mas afetuoso...Como foi linda a nossa juventude... talvez por agora sermos velhos lhe damos maior apreço! Brincava-se com tanta simplicidade e sinceridade, e todos participavam a 100%... estes versos como tantos outros ficaram na nossa memória para sempre... jardineira feloreira... Sr padre me confeso... ao passar na ribeirinha... e tantas outras que me vão ocorrendo com o decorrer do tempo. Abençoada geração que nos transmitiu um amor profundo por aquele cantinho abençoado. Feliz páscoa para todos

Augusta disse...

E se me lembro! Ainda há relativamente pouco tempo tentámos recuperar essa tradição Mas os CDs, MP3, ou 4 sei lá, quando tocam dentro das 4 paredes do salão da junta de freguesia, são mais chamativos que as nossas vozes.
Boa Páscoa para todos

Anónimo disse...

Está o freixo caidinho
cu peso do passarinho
ora bai tu, bai tu, bai tu
ora vatu mou amorzinho!

Está o freixo tombado
cu peso do orbalho
ora bai tu, bai tu, bai tu
ora bai tu mou namorado!

Entra o farfalhão o meo
grande data bai lubar

Anónimo disse...

o bida bida
anónimo trapalhão.Num dás ûa pra caixa.

A. Fernandes disse...

Obrigado, Fátima, por mais esta pedra na construção das memórias de Rebordainhos.

Ó anónimo, tenta lá mais uma bez, que a coisa inda lá bai.
Temos que organizar o Cancioneiro de Rebordainhos.

Boa Páscoa para todos os Rebordainhenses.

AFernandes

Filinto disse...

Belos tempos, Fátima. Ainda me lembro dos jogos de roda junto da escola.
As matracas eram um maravilha... e uma pessoa não poder dar uma dentadinha na carne demolhada para o folar, na sexta-feira... ir buscar água benta no sábado de aleluia, enquanto o Santa Combinha ia dizendo: "enche na bica que já está benta..
Obrigado, Fátima.
Sei que estás em Rebordainhos... aproveita.
Para todos uma BOA PÁSCOA.
Filinto

Ribordayn disse...

Lembro vagamente dos jogos de roda na eira do tio Antonio Piloto, mas da letra das cantigas praticamente nada, mas sinto muitas saudades de tudo o que se fazia nessa época. Belos tempos. Eramos muito mais pobres, mas infinitamente mais felizes.
Boa Páscoa para todos.

elvira carvalho disse...

Conhecia algumas destas quadras mas não todas.
Gostei de ler as suas memórias. Não tenho grandes memórias da Páscoa. Apenas me lembro que na Seca não se trabalhava tarde de 5ª e manhã de Sexta, que na nossa casa não se comia carne toda a semana santa, mas nem ligávamos porque a verdade é que carne lá em casa era só quando o rei fazia anos. O que mais recordo é que a minhã mãe não nos deixava catar de 5ª a Domingo que nos dizia que era pecado. Só deviamos rezar. E que nos dizia que na Semana Santa a cabeça das gaivotas ficava negra em sinal de luto pela morte do Senhor.
Não sei se era verdade ou imaginação, acho que sempre havia escuras e brancas.
Lembro de ouvir falar de procissões, que se faziam no norte, e de o padre levar o senhor
a beijar pelas casas da paróquia, mas aqui não havia nada disso.
Um abraço e uma santa Páscoa.
Um abraço e uma boa e Santa Páscoa.

Chanesco disse...

Fátima

Votos de uma Páscoa feliz para si e para os seus.

Abraço para Rebordainhos

Anónimo disse...

ora atão cá bai

ai tudo é dansar dansar
ai tudo é dansar assim
bá de roda cu sou par
bamos dansar o jardim

bamos dansar o jardim
iço é se ou quiser
nim bocê é mou marido
nim ou sou sua mulher

linda burbuleta deita ta buar
linda burbuleta deita ta buar
e menina …. já se quer casar
Já se quer casar num quer morrer donsela
Já se quer ir prá fruticadela
Prá fruticadela bestidinha de conseição
e a menina … bai para u caixão
bai pra u caixão que ela é sardinha
e a menina.. bai ser a madrinha
bai ser a madrinha que leba u raminho
e o menino … bai ser u padrimho
bai ser u padrimho que leba a bandeira
e a menina…bai ser a cusinheira
bai ser a cusinheira quela laba us pratos
inda e nobinha manxa us guardanapos
ó balhame deus cuesta crida
salta lá pra fora sua malcriada
ó minha senhora tenha dó de mim
num tenho pai nim mãe
nim quem olhe pur mim
benha cá pra drento a fazer obrigação
a esfregar us taxos e abanar u fugão


Lensinho bordado
a qui deicho
a qui trago

Anónimo disse...

Uma Santa Páscoa a todos os participantes e leitores do blog.
Eduarda

Idanhense sonhadora disse...

Fátima ,não sei que se passa mas tenho tido dificuladade em entrar aqui para deixar umas palavrinhas . Já vi que tudo está bem consigo e gostei daquelas quadras que aqui deixou
beijinhos