terça-feira, 16 de setembro de 2008

TININHA

A Tininha no seu casamento (com a Tia Teresa a seu lado)
(carregue em cima da imagem para ampliar)

Era pequena e esguia, de rosto muito expressivo, fino e rosado. Falava com os olhos.
Quando o tempo o permitia, era vê-la no alto das suas escadas, de riso franco e aberto, a provocar quem por ali passasse. Era, habitualmente, a protagonista das mais variadas e habilidosas traquinices que muito divertiam os vizinhos.
Quando chovia, colava o nariz à vidraça, espiava o dia lá fora e esperava que alguém lhe atiçasse a curiosidade. O resultado, eram sempre respostas rápidas e certeiras que conseguiam calar o mais dotado orador.
Sempre foi acarinhada, mimada e protegida por todos os vizinhos, pais, irmãos e habitantes da aldeia.
E, enquanto as raparigas do bairro faziam desta menina a sua boneca, o Orlando observava-a da janela da sala da casa de seus pais (mesmo em frete à dela), para hoje a recordar e lhe dedicar este poema cheio de humor e de muito carinho.
Esta menina traquina foi crescendo e transformou-se, durante muito tempo, na companhia preferida e apreciada pelos mais idosos (em especial pela minha mãe), aos quais dedicou atenção, disponibilidade e amor. Com ela, todos criámos fortes laços de amizade e, embora vá já nos seus trinta e tais, continua a ser a nossa Tininha.
Hoje, é mãe atenta e dedicada.
Por tudo isto, obrigada TININHA!
Olímpia


TININHA

I

Após meio-dia de labuta,
De fadigas geridas no tempo,
Já junto aos potes e com devoção,
Temperam-se forças de alento.

Até que o rebanho chegasse,
Sentados e depois da oração,
No repasto, tanto que bastasse,
De tempero para nova luta.

Entre eles uma bailarina,
Tão leda, fresca e matutina
Que radiava perfumes de flor.

Alpendorada na quadrícula,
Recortes d’ escada granítica,
Que descia e subia de cor.

II

Do seu meio metro de altura,
Dançava, cirandando na casa,
Qual pardalito de grão na asa,
Porque casa de pão é fartura,

Com saia de pétalas rodada,
Pregas de malmequer invertido,
Que ao corpo bem se ajustava,
Tal como se fosse um vestido.

Este malmequer de perna fina
Sapatos leves, avermelhados,
Fivelas luzentes e douradas,

Qual duende, ou só bailarina,
Saída de um conto de fadas,
Levitava por campos e prados.

III

Lá estava ela, lisonjeira,
Prontinha a pôr toalha e pão,
Esperando o pai, … a primeira
Cantava, e ajudava em vão.

Aguardando a ordem que demoram,
Ir ao “baixo” de copo vazio,
Acalmando assim o fastio,
De ledos desejos que afogam.

Cumprida a alçada do umbral,
Desce com um sorriso ambíguo,
Suspira, e olhando em redor,

Não haja um espreitar contíguo,
Abre a loja, com simples pudor
Desfiando o cordel de sisal.

IV

Encosta-se ao bojudo pipo
Em solenidade de banquete,
E como ritual erudito,
Roda o amigo torniquete.

Para que ninguém vá desconfiar,
Respira fundo, e lança reza,
Com a solenidade que preza,
Apressa o tempo de atestar.

Prova-se o agradável vinho,
Tão fresquinho e miraculoso,
Que as róseas faces acarmina,

No paladar doce e saboroso
Degustado com tento e tino,
Enleva os sonhos da menina

V

Já com algum tempo decorrido,
E algumas canções ensaiadas,
Velha lenga de duas palavras,
Como trovas no tempo perdido.

Gritando para se fazer notar,
Dizendo assim cumprir o dever,
Cantando mais alto, como a dizer,
Pai, estou bem, estou a descansar.

Porque, quando ao copo abica,
Naquela sede que o implora,
Toma tino e vai-se embora

Com a saudade da doce pipa
Desejando outra nova volta,
Sem contar o tempo da demora

VI

Atesta novamente e prova,
Não vá o pai, quiçá, amadurar,
E com esta luz não se comprova
A altura certa de regressar.

Agora as escadas são a subir,
E daqueles dez degraus a descer,
Vinte ou trinta vai ter de cumprir
Nesta devoção de agradecer.

Vamos reatestar e repetir,
Está na altura do retorno,
Porque os degraus já são a dobrar.

Para que ninguém possa alvitrar,
Que esta ideia de só servir,
Sirva de moeda de suborno

VII

No lento regresso, com agrado,
Forçando a vontade de chegar,
Esquece miragens e enfado,
E ensaia os temas a cantar.

Senta-se no beiral da escada,
Dependurando suas pernitas,
Matutando a forma apropriada
De comportamento com visitas

Agora, não se sente altiva,
Mas perante tal insatisfação,
Desafia musas ao relembrar

Brejeiros sons, em versão popular,
Envergonhando qualquer aldeão,
Não fosse esta a versão nativa.

VIII

Assim, gastando o encarnado
Do lustre das suas sandálias
Perdem-se pétalas e dálias,
Mas sente o serviço prestado.

Cantarolando em transmontano
Naquele calor de brincadeiras,
Ergue-se de faces prazenteiras
Colocando o copo no pano.

Entregando só meio produto,
Pelos trinta trabalhos que cumpriu,
Destes tirando o usufruto,

E que ninguém desconfiou, ou viu,
Cantando, e além do que se diz,
Foi senhora, ainda que petiz.

Orlando Martins

11 comentários:

Fátima disse...

Orlando

Tínhamos conversado, embora tu discordasses, que o soneto é a construção poética mais difícil. Escrever oito de uma assentada é obra! Dedicá-los à Tininha é primoroso. Espero que ela os possa ler e se divirta tanto como eu me diverti.

Vamos ao conteúdo, que a forma pouco monta aqui: traçaste um retrato ternurento de uma garota vestida de um modo que me não lembra. Mas lembram-me muito bem as suas cantorias no baixo: e cantava pouco alto, ao menos!

Todos lhe achávamos graça. Tu soubeste captar-lha e dizê-la desta forma tão bela.

Beijos

Fátima disse...

Olímpia

O Orlando escreveu sobre peripécias da Tininha que todos nós conhecemos. Tu acrescentaste-lhe o retrato, mostrando outras facetas da mesma Tininha, enriquecendo-o sobremaneira.

Como muito bem dizes, enquanto viveu em Rebordaínhos foi a alegria das casas de quase todos os mais velhos, enchendo-lhes os dias de riso e cor.

A Tininha merece as palavras tão cheias de carinho com que a descreveste. Parabéns.

Olímpia disse...

Invejo os poetas.E invejo-te a ti por o seres também.É que, conseguir brincar com as palavras, baralhá-las todas e no fim, colocá-las em sintonia e harmonia,transmitir pensamentos e sentimentos...não é fácil! Não é mesmo nada fácil.
Às vezes, tenho momentos privilegiados em que a mão anda por si, e o texto encontra, como por milagre, o seu caminho.No resto do tempo, sinto-me como os idosos nas escadas conquistando duramente cada degrau.
Mas tu...olha só! Que BELEZA!
Obrigada Orlando, por partilhares connosco estes ternurentos momentos e, por me proporcionares o prazer da primeira partilha ao dares-me o privilégio das respectivas publicações.
Beijinhos
Olímpia

Augusta disse...

A Tininha, é para nós como que uma irmã mais nova. Que regalo vê-la subir as nossas escadas à procura da nossa mãe e da nossa irmã Amélia.
Sim, é verdade, e nós sabemo-lo bem. A tininha é amiga de todos nós mas, nutre uma amizade especial pela Amélia.
Orlando: o encadeado das tuas palavras, fizerem com que, mais uma vez regressase ao tempo da nossa meninice.
Muitas coisas perdi por ter saído tão cedo da nossa aldeia mas, retive as suficientes para poder recordar com muita saudade. Enfim, ganham-se umas coisas, e perdem-se outras.
Grata por me fazertes recordar.
beijos

Augusta disse...

Olímpia:
A introdução que fizeste aos sonetos do Orlando, pintaram o retrato mais fiel que nenhum pintor conseguiria reproduzir.
Parabéns e um beijo

Olímpia disse...

Fátima:
Todas nós a vimos crescer e tornar-se adulta.Também todas nós (irmãs), nutrimos por ela uma grande amizade e, igualmente sentimos a falta dela quando emigrou para França.Especialmente a mãe que, tal como tu dizes, via frequentemente a nossa casa irradiada de risos e cor.A ela,lhe devemos.
Gosto muito da Tininha e, ouvir falar dela como o Orlando o fez...
Obrigada, pelas tuas palavras.
Beijos
Olímpia

Olímpia disse...

Augusta.
Tal como a Fátima costuma dizer:"fizeste-me corar!"
Pena a minha introdução não estar à altura das maravilhosas palavras do Orlando!
Enfim, acho que fica equilibrado porque ele, através de palavras simples e habilidosas, soube descrever esses momentos que nos foram tão familiares.(E não sabia ele que,durante algum tempo, a nossa amiga escondeu o copo no saco dos farelos!...)
Só quem lhe quer bem, a pode descrever desta maneira tão ternurenta.
Gostava de lhe fazer chegar o poema.Podes pedir a morada dela ao Alexandre?
Beijos
olímpia

J. Stocker disse...

Orlando e Olímpia

Parabéns pelo trabalho aqui apresentado, um retrato da TININHA.
Nos primeiros anos da minhas passagens pela aldeia ela era a nossa companhia, impregnava os arredores de alegria e adolescência atrevida e agradável, nunca deixava ninguém sem resposta, Tassámos os últimos anos sem desfrutar da sua presença, esano as nossas férias foram brindadas com a sua presença e do seu rebento, mais mulher, mais madura, mas sempre enchendo a alma do lugar, o Gabriel veio ajudar seguindo os passos da mãe, cativou-nos simplesmente e é agora o alvo das atenções .
Foram férias premiadas, por muitas e variadas razões a que tu e a Olímpia acrescentaram soberbamente o retoque final das mesmas.
Obrigado Orlando, Olímpia e Tininha, obrigado ao recém chegado César, emprestam a força necesária para continuar com um trabalho para o qual não estamos preparados nem nunca pensámos fazer!

J. Stocker disse...

Que me perdoem a Olímpia e o Orlando por acrescentar esta foto ao Post sem a vossa autorização, se não gostarem avisem que eu retiro de imediato!

Augusta

Obrigado pela foto, a tua irmã decidiu não a publicar porque a Tininha estava muito pequena ao colo dela, disse que o que se via era ela e não a Tina, andei procurando nos arquivos e só encontrei esta.
A adaptação à nova terapeutica está a decorrer bem, mas tive que diminuar as doses .
Obrigado

J. Stocker disse...

A satisfação da Tia Teresa (nossa mãe) é bem evidente e vem corroborar o que no Post se diz!
Reparem como ela está agarrada ao braço da Tina.

J. Stocker disse...

Cara Tina

Creio que nesta altura já deves ter visto o belo retrato do Orlando,
Achava muita piada a que comentasses o mesmo.

Um beijo para ti e para o Gabriel e um abraço para o teu marido