segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Tia Maria
O cardador

Este é um esboço de um trabalho que todos podemos fazer para que a tradição se não perca com o tempo.

Bem-haja, tia Maria, por aceitar desenrolar o novelo da memória.

Recolha efectuada pela Fátima e Olímpia junto da Tia Maria
Rebordaínhos - Agosto de 2008




A letra é a seguinte:

Cardador que carda la lana
Carda a preta, carda a branca
Ai carda também a mocita
Debaixo da manta!

Ai sumiei na minha horta
Manjaronas às mancheias
Ai tanto custaram a Deus
As bonitas com'as feias!

Do outro lado do rio
Lá tenho os mous marmelos
Ai s'o barqueiro num mos passa
Lá se me perdim d'amarelos!

"A minha mãe ganhou bem copos de vinho fino a cantá-la aos cardadores em Vilar d'Ouro!" Assim se refere a tia Maria a esta cantiga que sempre conhecemos como a "cantiga da tia Fecisma". Começava-a com um lai-lai lai-lai-lai... e acompanhava-a com as mãos a desenharem o gesto de quem carda a lã. Na sua voz grave, cantou-a até que a vida se lhe sumiu e, também por causa dela, deixou-nos uma saudade alegre.

Fátima Stocker

10 comentários:

Augusta disse...

E não é que a tia Maria parece mesmo a tia "Fecisma" a cantá-la?
É um regalo vê-la, estar com ela, ouvi-la sem que os nossos ouvidos se sintam cansados. Quando se cala, apetece sempre pedir mais e mais...
Parabéns garotas e, grata ao João pela pachorra de aqui colocar estas pérolas da nossa terra.
Beijos

Sophiamar disse...

Para que a tradição não se perca! Excelente este vosso blog! E Rebordaínhos está tão bem representada por estas bandas da blogosfera.

Bem hajam!

Beijinhos

poesianopopular disse...

Esta é CULTURA da boa da verdadeiramente popular, mas que fazer muitos têm vergonha dela.
Obrigado amigas, por divulgarem esta riqueza da vossa (nossa)terra.
Bem hajam.

Fátima disse...

Garota

Obrigada. Estar com a tia Maria tem, de facto, todo o fascínio que referes.

Beijos

Fátima disse...

Cara Sophiamar

Bem-haja!

Um abraço

Fátima disse...

Caro Manangão

Tem razão: é a nossa terra e há quem tenha vergonha dela. O diabo que os leve, que aqui esses não têm guarida.

Um abraço

baptista disse...

Fátima, que triste saber que ainda existe gente que sente vergonha de suas origens.
Parabéns e muito obrigado (mas MUITO OBRIGADO mesmo)a todos aqueles que participam ativamente do blog e nos presenteiam com belas lembranças do nosso nem tão distante passado...

beijos
César

J. Stocker disse...

Explicação sobre o trabalho de recolha:
O vídeo encontra-se tremido porque uma das netas da Tia Maria se pendurava no braço da Olímpia para ver no erra da máquina a sua avó.
Temos mais vídeos com outras cantigas, mas não os divulgamos aqui dado que neles estão crianças (netos) e não achamos oportuno publicar sem autorização dos Pais.
Assim temos que filmar novamente ou limitar a publicação ao som.

Fátima disse...

Baptista

Ainda há disso, sim, e é triste. Mas cá estamos nós que nos ufanamos das origens, para contrabalançar.

Obrigada a ti, que tanto tens colaborado connosco e nos tens incentivado!

Beijos

Olímpia disse...

Nunca esquecemos o que realmente foi importante para nós.
A tia Maria não esqueceu a canção da mãe, cantando-a com muita saudade e também com muita alegria.
Nós, não esquecemos aqueles serões em noites de invernia ou do fim das tardes quentes de Agosto.Aqueles momentos em que a tia Fecisma nos presenteava com esta bonita canção ou contando histórias.
A tia Maria, tem o dom de nos alegrar e divertir.
Bjos
Olímpia