segunda-feira, 6 de abril de 2009

ESTA PÁSCOA




Este ano - que temporão!- a beleza espalha-se por onde quer a vista alcance. Cerdeiros e maçãeras, pereiras e ginjeiras, tudo está florido. Sorriem os sentidos.







A equipa do Rebordaínhos deseja a todos uma Pàscoa feliz

15 comentários:

Baiqueeuespero disse...

Uma Santa Páscoa aqui de Carviçais para as gentes boas de Rebordaínhos.

Botai lá.....

Eduarda disse...

A todos os que participam, visitam e se interessam por este blog, uma Santa Páscoa,e que o aportar neste "Rebordainhos", continue a ser um prazer para todos nós.
ESP

Filinto Martins disse...

Sempre "Ecos do meu Sentir":
"Domingo d'armela
Armei uma esparrela.
Domingo de Lázaro
Cacei um pássaro.
Domingo de Ramos
O depenamos.
Domingo de Páscoa
Almoçamos".
O nosso povo de Rebordainhos tinha tradições: não as deixemos cais no esquecimento.
Curiosidade: alguém explique o sentido "d'armela'.
Santa Páscoa para todos... folar e Pascolelas...

Isamar disse...

A todos os rebordainhenses e muito especialmente à equipa de redactores deste blogue venho desejar uma Páscoa Feliz. Que a Ressurreição de Cristo ajude na reconstrução de um mundo melhor.

Bem-hajam!

Um abraço fraterno

Fátima Pereira Stocker disse...

Bai que eu espero
Dadinha
Isamar


Bem-hajam e um grande abraço

Fátima Pereira Stocker disse...

Filinto

Não me querendo meter em assuntos da especialidade do Tonho e ficando-me, apenas, pela intuição, diria que o primeiro verso da lenga-lenga se poderia escrever assim:

"Domingo , de armela..." sendo que, em Português arcaico, armela significava anilha ou argola.

O sentido geral da lenga-lenga é que me parece extraordinário por aludir à fome de modo tão expressivo. Se virmos a sequência, são quatro domingos e um único pássaro para comer.

Beijos

Chanesco disse...

Considerando que em Vila Boa (de Serapicos) a Páscoa se festeja na Terça Feira seguinte, ainda venho a tempo de votar desejos de feilicidade para Rebordainhos.
Por sugestão do post, "a Páscoa é a Festa de Flores", não esquecer a "Tchitcha", que é a flor do folar.

Um abraço para Rebordainhos

António disse...

Fátima e Filinto:

A lenga-lenga do Filinto é interessantíssima quer como ritmo que como sugestividade: concordo com a Fátima que este espaçamento de semana a semana tenha a ver com os longuíssimos jejuns e abstinências quaresmais, na espera da fartura do folar pascal. Mas ignoro supinamente o porquê da designação de domingo da armela.
Andando a armela ligada à ideia de ferrolho... sei que antigamente havia na quaresma uma cantoria entre um grupo fora e outro dentro da igreja, de portas fechadas... mas não sei quando nem como. Caso a investigar.

António disse...

Desconhecido amigo(a?) Chanesco:
Associava-o aquele pedacinho arraiano que dá pelo nome de Toulões, que visito de vez em quando. Agora vejo-o a falar de Vila Boa de Serapicos... E não é que a minha vizinha do andar inferior é exactamente de Vila Boa de Serapicos!? Com o apelido de Fontanete.
Ou o mundo é mesmo muito pequeno ou eu começo a ficar confuso.

Saudações transmontanas

Filinto Martins disse...

É mesmo um mundo pequeno... De Serapicos ou vizinho tenho eu um colega que foi pastor e agora é professor de Filosofia... e a este só o Aidinhas o supera, carai 8como ele diz nas aulas). É o Rolando, às vezes o nome lembram-me os calhaus, rolando pelas encostas.
Quanto à armela, amigos, aqui vai a descoberta, auxiliado por um Mirandês que muito cuidam da Língua Portuguesa: É domingo da Remela/Ramela (dualidade em Português) que coincide com a cura do cego. A evolução fonética que a explore o Tonho. E esta?
Saudações Transmontanas e Mirandesas...

Chanesco disse...

Meu caro António

Efecivamente, este mundo cada vez mais global, onde cada vez nos encontramos menos, tem estas coincidências... e tropeçamos nelas.

Não é confusão sua ao associar-me a Toulões, pois é a minha terra de nascimento e de vivências da juventude. E também vivências actuais, mas estas tenho de as repartir com Vila Boa (dita de Carcãozinho - freg. de Serapicos), minha terra de adopção, situada, mais um sibo, quase nas faldas da serra de Nogueira.
Posso dizer-lhe que há 17 anos que lá vou regularmente 2 a 3 vezes por ano que que já me identifico quase tanto com Trás-os-Montes como com a Raia Perdida (na Beira Interior Sul).

Quanto à coincidência: a sua vizinha é bem provável que não me conheça, pelo menos por Chanesco (nome que começou por ser uma capa de anonimato e hoje, por força de 3anos a "botar contas" na blogosfera, e de muitos conterrâneos - toulonenses - terem identificado o anónimo, continua como pseudónimo).
Presumo que a senhora Fontanete seja filha do sr. Zé Trindade, primo do meu sogro.
Mesmo que não seja, pode dizer-lhe que sou o genro do Zé e da Cândida, que conhece certamente. Moram "por trás das casas" abaixo da casa do Zé Coelhoso.

Um abraço Trans-Beirão

António disse...

Ora biste!?
Como um pândego, logo à pormanhã, ainda co matabitcho por abitchar, já aprendeu uma data de cousas sobre a armela (e essa está muito boa, ó Filintão! Um achado! Obrigado ao professor/pastor das sábias terras de Miranda); sobre o amigo Chanesco mailas terras de Vila Boa de Carçãozinho e as malhas que o Império tece entre Trás-os-Montes e o Alentejo.
Ó bós! o que a gente não aprende neste blog de Rebordainhos!
Obrigado por tudo e sobretudo pela amizade que se vai urdindo através das lançadeiras da blogosfera.

Abraços

Fátima Pereira Stocker disse...

FilintoAbençoado pastor/professor! ele não quererá dar uma ajudinha nos dicionários de mirandès disponíveis on-line? É que eu procurei aqui e

aqui e não me serviu de nada! O último, sendo de maior confiança por ter a chancela de Amadeu Ferreira, está ainda muito incompleto.

Um abraço e obrigada pela achega!

Fátima Pereira Stocker disse...

TonhoÓ bós digo eu! Abençoados sejais pelo tanto que me ensinais!

Beijos

Fátima Pereira Stocker disse...

Irra! Estou farta das partidas que o html me está a pregar hoje. Até parece o dia dos enganos!

Filinto e Tonho, sesculpai lá o mau aspecto das respostas que vos dei!