domingo, 26 de maio de 2013

Bruxas [Parte I]



As primeiras bruxas ou feiticeiras a caminhar sobre a Terra datam da época em que a Atlântida e a Lemúria ainda existiam, (muito antes de Rebordainhos). A Princesa Seyfried, que eu conheci, foi uma das últimas rainhas da Atlântida antes da sua destruição, e era conhecida como uma das mais poderosas feiticeiras de todos os tempos.

Após a queda da Atlântida, nas civilizações que se seguiram e após o Dilúvio, as mulheres não ocupavam muitos (alguns) cargos de conselheiras ou sábias, deixando este papel exclusivamente para os homens. As poucas bruxas conhecidas estavam associadas aos templos da fertilidade, dos prazeres e das deusas do amor como Astarté, Vénus, Ishtar e tantas outras.

As Velhas eram bastante temidas por causa de suas terríveis maldições!




As Jovens possuíam o charme mágico e conheciam as poções e elixires capazes de seduzir qualquer homem...






A BRUXA PÉS DE CABRA

Desde que foi resgatada da Torre do Tombo por Alexandre Herculano, a famosa anedota medieval da dona pé-de-cabra, inserida nos Livros de Linhagens dos séculos XIII e XIV, tem provocado indagações em torno da personagem insólita, geralmente associada a estereótipos femininos negativos por sua suposta aliança com o diabo ou pela expressão excessivamente libertária de sua feminilidade. Grande parte dessa fama deve-se à re-textualização da história pelo escritor romântico, num diálogo estilizante, nem paródico, nem parafrástico, que amplificou a narrativa primitiva, interpretando-lhe as lacunas segundo a moral misógina do século XIX. Efectivamente, é difícil ler o texto primitivo sem os ecos da versão oitocentista por onde se disseminam os efeitos da dominação simbólica masculina então em pleno vigor na sociedade ocidental.

MAS PASSEMOS AOS FACTOS

Eu não acredito em bruxas, mas que as há, ai isso há…

Decorriam, penso eu, os anos sessenta, onde ainda se dormia em enxergões enchidos de palha fresca recolhida no tempo das malhas vinda das searas com perfume a campo, os quais eram enchidos por um buraco central, e que iria durar para um ano inteiro.
A palha era escolhida de entre a mais branca e fofa, conhecida como colmo, pois iria servir para o descanso diário dos trabalhadores rurais o que era mais que merecido.

Foi num colchão desses, coberto por um lençol de linho, que me deitei naquela noite, e tinha como cobertura dois ou três cobertores de lã, cujo peso me aconchegava e disfarçava a porta do quarto, que com dificuldade se fechava, e que o cair da noite, com o terminar lento da luz do dia acabava também a vontade de sair e ver o campo…

Mas a luz já era rara, e o medo pueril de sair obrigava-me a ficar atafulhado até ao pescoço nos cobertores que me protegiam…

A ténue luz prateada da lua, que se tornara rainha, reinava agora entre caminhos, trilhos e fendas.

Eu, só naquele quarto, via no tapume das paredes, pelas sombras que geravam, dedos disformes, unhas enormes crescerem com o avançar da noite, e lentamente uma cara vinha surgindo, distorcida pelo tecto de madeira, que com a sua negra cor ia ocupando todo aquele espaço que eu queria que se fechasse.

Cerrava os olhos, tentava dormir, espreitava as sombras que lentamente me estavam a encobrir, lembrei contos e lendas, mas esgotado, deixei-me dormir.

Passados os sonhos e o descanso, ouvi lá ao longe como chamando por mim uns sons que me recordaram a loje de animais anexa à casa.

Era uma porta alta e aberta, sem degraus nem acesso, onde me diziam que as bruxas, noite dentro, bailavam, se divertiam e procuravam almas simples e puras que iriam possuir.

Foi assim que estremeci.

A luz do sol, que entretanto vinha surgindo, apagava lentamente as sombras no quarto que me afligiam desde a noite anterior.

Engano meu. De repente, ouço no soalho da casa um som……………

Tento identificá-lo.

Tac… tac…

Parou.

Eu, recordando o que me disseram, fico muito quieto, embrulhado nos cobertores.

São as bruxas aqui do lado, pensei… E os passos sinistros encaminhavam-se para o meu quarto, tinha chegado a minha vez...

Paulatinamente Tac.. tac… naquele sobrado que servia como amplificador,           cada vez mais me convenci que eram sons de uns pés de cabra.

Era uma das bruxas de que me haviam falado!
Tapei mais a cabeça e sustive a respiração, era o meu fim…

Em casa não havia alma viva que me acudisse…

De repente, num salto que imaginei impossível, sinto os dois pés em cima do meu tronco, do meu peito. O pânico tomara conta de mim! 



Parecia que brincava comigo, ora passo em frente, ora passo atrás.

O silêncio era mortal.

O suor corria por todo o meu corpo, e pensei, seja o que Deus quiser, vou-me libertar disto.

Tinha tomado uma decisão, libertei-me dos cobertores, dei um grande grito e explodi: Deixa-me bruxa!…

Para espanto meu, do cimo da cama saía uma galinha amedrontada que pela manhã tinha ido bisbilhotar aquele habitat.

Para mim foi um dia que nunca mais esquecerei.

Orlando Martins, Maio de 2013

13 comentários:

Fátima Pereira Stocker disse...

Orlando

Nada como um bom diálogo - sobretudo quando acaba com uma sonora gargalhada! Como me ri e ainda rio: Ah!Ah!Ah!Ah!

E aqui me provas, com o teu exemplo de profundo crente, que, afinal, em Rebordaínhos há quem acredite em bruxas. Com que então, donas pé-de-cabra?

Obrigada, para além da história deliciosa, pelas imagens com que ilustras o artigo.

Fico à espera da segunda parte!

Beijos

Augusta disse...

Viva Orlando:
Mas que valente me saíste! Tomaste a decisão de enfrentar a bruxa.
Tens mesmo a certeza que afinal era uma pita? Cá para mim, a bruxa disfarçou-se!
Olha, também eu mandei uma gargalhada porque, afinal, se nos pusermos a pensar todos temos memórias semelhantes. Deixa-me que atice a memória da minha irmã Amélia com o caldo verde que não comeu...
Beijos e também espero pela parte II

A. fernandes disse...

Olá, Orlando:

Até que enfim quebras o teu mutismo para nos brindares com esta deliciosa história da bruxa galinácea. Manda lá então o segundo capitulo da dita cuja
Abraços

A Fernandes

Idanhense sonhadora disse...


Só tenho 2 palavras para dizer :MARAVILHOSO---ADOREI !!!
Um grd abraço

Olímpia disse...

Orlando,
mas que desassossegada noite e que agitado acordar!
Para além do prazer que nos deste com esta bela descrição, também nos brindaste com umas valentes gargalhadas.
Venha daí a segunda parte!

Bjo

Olímpia

Augusta disse...

Não sei bem porquê mas apeteceu-me votar aqui. Não sei se por bruxedo ou simplesmente porque outras coisas me vieram à memória. Imaginem que me lembrei dos bons pedaços de tempo que, ao escurecer, gastávamos agarrados a uma rama do sequeiro para ver se conseguíamos apanhar os morcegos que, àquela hora, faziam o seu passeio diário.
Que raio, porquê lembrar-me disto se o que contaste tratava de bruxas e não de vampiros? mas olha, lembrei-me e pronto!
Beijos

elvira carvalho disse...

Excelente. Conheci bem essas histórias. Também os colchões de (nós chamávamos-lhe folhelho. Na nossa cama de ferro tínhamos dois. Por baixo um de centeio e por cima esse de folhelho. A minha mãe dizia que o de baixo servia para dar mais estabilidade à coluna. Não tínhamos rádio muito menos TV que dava os primeiros passos na minha meninice e que só conhecíamos de ouvir falar. No velho barracão nem sequer havia luz, a não ser a que nos forneciam os dois ou três candeeiros a petróleo. Nos serões sentávamos nas escadas a ver as estrelas e a ouvir o meu pai contar histórias de bruxas e lobisomens.
A propósito, a minha avó e minha mãe sempre contou uma história do género que diz-se aconteceu com o meu tio José Varandas. Contá-la-ia aqui mas o comentário ficaria muito longa. No entanto se tiverem curiosidade, podem lê-la em
http://6feira.blogspot.pt/2011/05/sexta-feira-13.html

Um abraço e um bom dia... sem bruxas.

antonio disse...

Olá Orlando!Havia realmente tantas bruxas por rebordainhos, que com o tempo também se puseram na "pireza", que as histórias contadas com sério dos antepassados nos deixavam noites " ávela" trémulos, indecisos, receosos...surgiam a maioría das vezes em forma de animais...coitadas!
As histórias, quando bem contadas, tem o poder de contrariar as bruxas, nos seus efeitos mágicos... e tu tens a arte e o talento de passar da poesia à ficção manobrando com engenhosidade e pericia.
Fiquei alegre com a tua história, mas sobretudo por voltares escrever neste cantinho que tanta gente frequenta de passagem e não ousa libertar-se da complexidade ou dos preconceitos,colaborando como possível, para que as nossas visitas frequentes encontrem o que tanto desejamos...
Saudoso abração

elvira carvalho disse...

Fátima, se puder, dê um saltinho ao Sexta, que em dia de aniversário gostaria de receber todos os amigos.
Um abraço

Anónimo disse...

Obrigado a todos.

A parte II é da responsabilidade da Fátima.

Um abraço a todos

Orlando Martins

Fátima Pereira Stocker disse...

Orlando

Andas com um bom humor invejável!

Beijos

Anónimo disse...

Que cabra tão chocha Orlando!

Até parece que está a cantar o fado da Amália " Povo que lavas no Rio".
Beijos
Amélia

Céu disse...


Orlando,

A propósito, conhecias esta expressão?

Te renego saramago pé de cabra.

Eu conheci-a em Lisboa há muitos anos.

Bjs

Céu