quarta-feira, 31 de julho de 2013

Passaportes

V

Directamente de Rebordainhos lanço mais um desafio de cinco passaportes. Aproveito para arrancar com este desafio uns dias antes de a população de Rebordainhos crescer exponencialmente.


1
Nome: Aida do Céu Pires
Data do Passaporte: 1954
Nascimento: 1922
2
Nome: Manuel Joaquim Pereira
Data do Passaporte: 1957
Nascimento: 1930
3
Nome: Manuel António Fernandes
Data do Passaporte: 1955
Nascimento: 1928
4
Nome: Marcolino dos Santos Morais
Data do Passaporte: 1953
Nascimento: 1926
5
Nome: Cesarina Esperança Pereira
Data do Passaporte: 1941
Nascimento: 1910





Ainda sobre este assunto partilho uma curiosidade genealógica representativa de 40% dos 25 passaportes que já foram publicados aqui no blog. As estatísticas podem ser seguidas aqui: http://goo.gl/N9Ive

________________________________________
Podem consultar todos os passaportes já identificados aqui (clicar).
Algumas estatísticas podem ser seguidas aqui (clicar)

18 comentários:

Rui disse...

Como estou em Rebordainhos, apenas amanhã irei actualizar os estatísticas e adicionar as datas de nascimento.
Espero palpites!
Rui

Anónimo disse...

até quim fim puzerão cá outra coisa.cada veze cabria isto aparcia sempre aquela cara caté espritaba. o 4 paresse que tem parcenças com us da eira.

Filinto disse...

O número dois tem uns traços semelhantes aos do Evaristo. Não conheço ninguém. Apenas um palpite.
Filinto

Fátima Pereira Stocker disse...

Boa tarde, Rui

Mais uma vez, obrigada por teres publicado.

Isto de palpites está difícil: concordo com o Filinto, que o n.º 2 dá ares à minha família materna (sobretudo o nariz parece dos Ramos), mas não me atrevo a mais do que isso.

A n.º 5 fez-me lembrar a Maria Albertina, filha da da tia Isabel: será parente desta e da tua bisavó?

Beijos

Fátima Pereira Stocker disse...

Anónimo

Fico contente por verificar que entra aqui amiúde. Deixe, no entanto, que lhe diga que o ritmo das publicações depende da disponibilidade e da inspiração dos membros e dos colaboradores do blog. Se quiser começar a colaborar connosco será com grande satisfação que publicarei aquilo que me enviar.

Cumprimentos

RF disse...

Olá a todos.

Vamos às pistas:
1 - Familiar de Casimiro Pires.

2 - Sr. Filinto pois está certo em ter traços em comum porque são realmente familiares. D. Fátima não é da família do seu Avô Materno.

3 - É primo do 2.

4 - Anónimo acertou em cheio, é da eira. Palpites para o nome?

5- Já teve uma irmã identificada noutro passaporte e é prima do 3. D. Fátima não é pois, da família da tia Isabel.

Obrigado a todos.
Rui

D. Fátima, não precisa de agradecer. Sempre que posso e tenha tema relevante faço por manter activa a minha participação. E com todo gosto.

elvira carvalho disse...

Passei.
Deixo um abraço e votos de bom fim de semana

Anónimo disse...

Carai o 3 e primo do 2 o 5 e do 3 pois atão estabem. o 2 debe ser irmão da pilota e o 3 tamem debe ser bilardouranho. Parcido cu ebaristo? ou num axo so se for pur baixo du imbigo .ou o nome do home num sei sei qué dus da eira qué parcido cu armindo cunhecido pur justo

Fátima Pereira Stocker disse...

Rui

Estás a ver porque é que eu não devo dar palpites? Quando se trata de fisionomia, não acerto uma! Mas, pelos vistos, não aprendo...

De acordo com as tuas pistas, a n.º 5 poderá ser uma das "Morais" e o n.º 2 será o Teodoro, irmão da tia Maria "Fecisma" (isto, seguindo o raciocínio do Anónimo)?

Beijos

Rui disse...

Boa noite,

A minha ajuda gerou ainda mais confusão. Peço desculpa.

Então é assim:
É toda a gente natural de Rebordainhos.
O 2 e o 5 são irmãos. E são primos do 3.
Há um Morais, mas não é o 5.

Rui

Rui disse...

Ainda volto porque ontem me esqueci de dizer uma coisa. O facto de o 2,3 e 5 não serem familiares do avô materno da D. Fátima, não quer dizer que não o sejam da avó materna.

Fátima Pereira Stocker disse...

Viva, Rui

Acho que isto se está a tornar numa conversa a dois...

Agora é que me deixaste encravada: se me dizes que o n.º 2 é irmão da senhora n.º 5, então é porque não se trata do filho restante da tia Vermelha, o Manuel (a tia Vermelha só teve rapazes). Ora, como a minha avó não teve nenhum filho no Brasil, só podem ser filhos da tia Francisca. Mas que eu me lembre, a tia Francisca só teve dois filhos homens (Júlio e Belmiro), a quem conheci muito bem e nenhum deles emigrou. E a tia Irene já está identificada noutro artigo.

A senhora com o número 5 é muito mais velha do que o número 2: tens a certeza de que são irmãos? Parece-me uma distância muito grande.

Até já pensei que a senhora n.º 5 pudesse ser a minha tia Lina, mas nada disso bate certo com os parentescos de que falas...

Como já percebeste, a minha cabeça está a parecer-se com uma bússola avariada.

Beijos

Fátima Pereira Stocker disse...

Rui

Volto cá, porque a avaria é mesmo grande: então não é que me esquecia do tio Arnaldo! Faço cada uma...

Eu acho que já sei quem são as três pessoas da minha família. Vamos ver se é desta:

n.º 2: Manuel Pereira, a quem todos tratavam por Pereira, como o pai.

n.º 5: Cesarina Pereira

Se estes dois são primos do n.º 3, então este só pode ser o único filho da tia Vermelha que falta identificar: Manuel Fernandes.

A "descoberta" dos dois irmãos devo-a ao Espírito Santo de orelha do meu primo Jorge que confirmou que, de facto, a tia Cesarina era muito mais velha do que, por exemplo, a tia Zulmira, que é de 1922.

Quanto aos restantes não sei que diga.

Amanhã já vou dormir na nossa terra.

Beijos.

Olímpia disse...

Olá Rui,
para variar, o meu palpite é nulo. vejo caras que me são familiares mas, não mais do que isso.
BJOS E ATÉ AMANHÃ

Ol,ímpia

Rui disse...

Boa noite,

D. Fátima, chegou lá. Fico contente por isso. E fico com pena de realmente se ter limitado a um diálogo a 2.

D. Olímpia até amanhã à hora do café.

Já publiquei os nomes de toda a gente. Acrescentei ainda uma curiosidade genealógica.

Beijos

Rui disse...

Já me esquecia de enquadrar os restantes. O 4 foi praticamente identificado pelo anónimo e é primo da tia Julieta Morais.

A nº 1, é prima do pai do Sr. Casimiro Pires (tio João).

Rui

Beto disse...

Olá Rui!

A emigração de Rebordainhos para o Brasil nos anos 50 foi muito intensa. Por acaso conheci a maioria das pessoas cujos documentos de emigração tens apresentado. Ah, um detalhe: o nome da minha mãe não é Bernardete de Lurdes e sim Lourdes!

Abraço,

Beto

Augusta disse...

Viva Beto:
Sê muito bem aparecido. Desapareceste da vista, mas ainda bem que nos vens visitando. Gostei de saber de ti. Aparece mais vezes, sim?
Bejinho