sábado, 19 de abril de 2008

Festas e Romarias


O dia treze de Maio, (para além do aniversário da minha mana mais piquenita), é um dia de referência para a nossa aldeia. Sim, sabemos que é um dia de referência para o país em geral mas, a verdade, é que em Rebordaínhos, este dia è vivido com particular devoção.
Mas, como em quase tudo o que povoa as nossas memórias, também o dia 13 de Maio tem sofrido alterações ao longo dos tempos.
Lembro-me que quando eu era mais pequena, as primeiras comunhões eram realizadas neste dia.
Então. os miúdos que se vestiam de cruzadas, saiam de casa do meu avô e da minha tia Helena (na altura mordoma da Sra de Fátima) e caminhavam muito ordeiramente e compenetradas até à Igreja paroquial, onde eram aguardadas pelos principais actores do dia - as crianças da primeira comunhão-.
Uma vez aí chegadas, entravam pela porta principal da igreja, enquanto as senhoras do coro entoavam aquela canção "vinde ó meigas criancinhas..."
Lembro-me particularmente do dia da minha primeira comunhão, em que usava aquele vestido branco comprado com tanto sacrifício pelos meus pais e, religiosamente costurado pela tia Maria da avó. Não sei onde pára o vestido (provavelmente nas Cabanas). Sei que, depois de mim, foi usado pelas duas irmãs mais novas, e depois por várias primas. Mas que tenho saudades, tenho!
Hoje, a festa resume-se a uma missa e a um almoço em família, mas em honra da minha mãe e de toda a família, é com todo o gosto que, eu própria me encarrego de decorar o andor da Nossa Senhora de Fátima.
Sei que pode parecer estranho, mas cultivo com todo o gosto, estas raízes e valores que os meus pais me transmitiram.

Ver mais fotografias

8 comentários:

MPS disse...

O vestido era lindo, acompanhado por uma luvinhas de renda feitas com não sei quantas agulhas. Fui eu a última de nós a vesti-lo, depois deve ter servido às nossas primas das Cabanas, como dizes. ´

Está-se mesmo a ver que fiz a primeira comunhão no dia em que completava 6 anos, mas dada pelo Senhor D. Manuel o, então, bispo de Bragança, já que nesse dia também se celebrava o crisma.

Lembro-me bem das cruzadas e de me apressar a escolher o modelo novo que apertava atrás com um cinto, porque era novo e porque parece que conservava melhor o perfume do pano passado a ferro, cheirando, por isso, muito bem.

Eu acho que a Senhora de Fátima esteve sempre a cargo da nossa família. Estou enganada? Ainda hoje de manhã estive a falar com o João e a dizer-lhe que era minha convicção que tu ficarias com o encargo de seres a sua mordoma para o resto da vida: parece que é coisa do sangue!

Eu mostrei as fotografias (como a que publicaste) do andor de Nossa Senhora de Fátima do dia da festa a alguns amigos meus que ficaram deslumbrados com a beleza dos teus arranjos. Como não ficar? Eu, que não meti prego nem estopa, fiquei cheia de proa.

Beijos

J. Stocker disse...

Cara Augusta

Parabéns! Está sóbrio e interessante, estava no sofá quando a tua irmã, me veio dizer que tinhas publicado um post, vinha com uma lágrimazita no olho, tendo o mesmo acontecido no comentário da foto sobre o Pinheiro do nosso Horto!
Confesso que não me espantei, foi intencional a alusão que eu fiz aos membros do blog sobre a Festa da Nossa Senhora de Fátima, sabemos o gosto que tens em seres mordoma e o teu jeito, reconhecido por todos nós familiares ou não, por mim ficas já destinada a tomares a teu cargo a etiqueta "Festas e romarias" desde e quando isso não te comprometa os teus afazeres familiares e profissionais.
Obrigado!

poesianopopular disse...

Raízes quém as não tem -raízes
Que nos trnsportam ás origens
De todas as formas e matizes
De todos os saberes e miragens.

Bem haja por me desvendar um pouco da sua história!
Abraço
José Manangão

J. Stocker disse...

Caro
Josse Manangão

Creio que o seu comentário, não era para a Augusta, mas sim para a MPS, estarei enganado?
O meu amigo é sagaz e expedito, e assim lá ficou a saber alguma coisa mais da autora dois outros blogs que visita e agora também da Augusta.
Abraço

poesianopopular disse...

Caro j.Stocher
Enganou-se mesmo, porque o meu comentário é para a Augusta
A blogosfera é assim, -liberdade absoluta!
Sabebos´só,o que nos querem contar,e contamos o que queremos!
Comentamos ou não; partindo sempre do princípio do respeito mútuo, e do direito á diferença!
Bem hajam os que assim procedem!
Abraço
José Manangão

Anónimo disse...

Caro José Managão
Grata pelas suas amáveis palavras, mais ainda pela forma como as dirigiu.
Sim, concordo consigo. Todos temos as nossas raízes. E,não tenho dúvidas que são essas raízes que moldam a nossa forma de ser e estar perante a vida.
Um abraço
Augusta

J. Stocker disse...

Caro
José Manangão

Tenho sempre um grande cuidado em escrever o seu nome, pois tenho um cunhado que é o"Manganão" alcunha posta por um dos meus sobrinhos"(filho da Augusta" e estou sempre a falar de di como o Manganão.

Por estas 4 paredes não fui só eu o enganar-me.

Já disse à Augusta que as regras da blogosfera (em que ela se iniciou) aconselham a não deixar sem resposta os comentários que nos deixam

ANTONIO LOPES disse...

SUGESTÕES PARA AS VOSSAS CONCEITUADAS FESTAS 2011: LUCAS & MATHEUS (dupla brasileira) site www.lucasematheus.com, LÉO & LEANDRO (dupla brasileira) site www.leoeleandro.com.pt e AGRUPAMENTO MUSICAL IVASON site www.ivason.com. Contactos: ANTÓNIO LOPES 960195669/913729192, endereço electrónico: antonio.alproducoes@gmail.com