quinta-feira, 1 de maio de 2008

Palavras certas


As pessoas sensíveis

As pessoas sensíveis não são capazes
De matar galinhas
Porém são capazes
De comer galinhas

O dinheiro cheira a pobre e cheira
À roupa do seu corpo
Aquela roupa
Que depois da chuva secou sobre o corpo
Porque não tinham outra
O dinheiro cheira a pobre e cheira
A roupa
Que depois do suor não foi lavada
Porque não tinham outra

"Ganharás o pão com o suor do teu rosto"
Assim nos foi imposto
E não:
"Com o suor dos outros ganharás o pão"

Ó vendilhões do templo
Ó construtores
De grandes estátuas balofas e pesadas
Ó cheios de devoção e proveito
Perdoai-lhes Senhor
Porque eles sabem o que fazem

Sophia de Mello Breyner Andresen

3 comentários:

Sophiamar disse...

Ele há coincidências! Sabes que pensei neste poema para o dia de hoje? Sophia ( daí o sophiamar) gostava tanto de Liberdade, de Mar, de Justiça, de Solidariedade que jamais a minha gratidão por ela ter existido se apagará.

O nosso eterno Mar, companheiro de sonhos, de viagens, de trabalho, de luta...

Obrigada, Amigo!

Bem hajas!

Beijinhos

poesianopopular disse...

A Sophia, é um grnde nome da nossa literatura e foi uma grande poetisa!
Foi feliz esta lembrança, recordando-a!
Obrigado J. Stocker
Um grande abraço
MAnangão

J. Stocker disse...

Caros amigos

Desculpem-me o não ter respondido, mas esta barca velha que eu sou, quando apanha pela proa, mar rijo, precisa que lhe reduzam o pano, para se aguentar sem avarias!

A vista já está a acusar, o cansaço dos ultimos dias!

Obrigado